marco.png

Osu keta òdún – Terceiro mês do ano | Erènà - Março

Segunda quinta-feira do mês
Ajòdún Àwón Ode
(Festividade em Homenagem à Ode ) (Cerimônia pública, às 20h)
Cerimônia em homenagem ao Òrìsà da caça e da fartura. É o momento de celebrar a fauna e a flora e pedir para que as pessoas presentes tenham sempre uma mesa farta.

Três dias após a Cerimônia em homenagem ao Ògùn Dekìsì.
Òro Akòró Àwón Irín Ògún
Obrigação de Akòró e Ferros de Ògún
(Cerimônia restrita aos integrantes da família da Casa de Òsùmàrè, às 6h)

Culto do ritual aos Alagbèdé (ferreiros). Nesta cerimonia Akòró, o símbolo que representa o elo com Ògún é adorado, garantindo que a sabedoria para transformar o metal em ferramentas esteja assegurado e alcançado progresso em todos os aspectos.

Terceiro sábado do mês
Ajòdún Iyemojá
Cerimônia em homenagem à òrìsà Iyemojá
(Cerimônia pública, às 20h)

Cerimônia em homenagem a Iyemojá, senhora das águas litorâneas, responsável pelo equilíbrio e pelo pêndulo da mente. Durante os ritos, os filhos pedem para manter a consciência sã. Os pescadores realizam uma oferenda especial, agradecendo pela fartura das suas pescas.

Segundo sábado do mês
Ajòdún Ògún Dekìsí
Festividade em Homenagem ao Ògún da Saudosa Mãe Simplícia. (Cerimônia pública às 20h)
Cerimônia na qual o Ògún da aclamada Ìyálòrìsà Simplíciana Brasília da Encarnação é louvado.

Nesta cerimônia, roga-se proteção a este poderoso Òrìsà


Sete dias após a cerimônia em homenagem à Ògún Dekìsì.
Òrò Òrìsà Okè
Festividade em Homenagem ao Òrìsà Okè
(Cerimônia restrita aos integrantes da família da Casa de Òsùmàrè, às 6h)

Cerimônia na qual Okè, o grande Òrìsà das montanhas e da agricultura é homenageado. O seu culto, denominado ijala, é realizado na Casa de Òsùmàrè desde o início século XX, quando o terreiro foi transferido para uma colina. Nesta ocasião, os filhos agradecem a esta divindade o espaço ocupado pela Casa.


Terceiro domingo do mês
Ébùn Lati Iyemojá
Presente para Iyemojá
(Cerimônia pública, às 14h)

Cortejo público, no qual filhos e adeptos do candomblé seguem rumo ao Rio Vermelho [Salvador, Ba], levando o grande presente ao Òrìsà das Águas.